Com o aguardado lançamento de One Piece Odyssey, o mais novo JRPG baseado no longevo mangá e anime de Eiichiro Oda, muitos interessados no título vêm se perguntando se é necessário ter acompanhado as aventuras de Luffy e sua tripulação para poder navegar nos mares do game sem se preocupar em conhecer o famoso universo dos piratas.

Já é de conhecimento do público que o título vai revisitar alguns cenários famosos de sagas épicas, como Marineford, Dressrosa e Alabasta. Também foi revelado que alguns eventos podem ser diferentes do anime, mas isso não quer dizer que a história do game será completamente desconexa aos eventos originais.

A trama de One Piece Odyssey segue o mesmo caminho do mangá: a gangue de Luffy viverá uma aventura inesperada em uma nova ilha misteriosa, Waford. Nela, os jogadores poderão controlar diversos personagens da tribulação do Chapéu de Palha, com exceção Jinbei, o que chama atenção para alguns detalhes.

A ausência do homem-peixe pode sinalizar que a trama do game gire em torno de eventos prévios ao arco Wano Country, o 31ª de toda a franquia. Além disso, a falta de Jinbei também sugere que One Piece Odyssey pode estar em desenvolvimento desde 2019.

Conclusão

A partir dessas informações, portanto, o novo JRPG desenvolvido pela ILCA e publicado pela Bandai Namco deve exigir algum conhecimento do jogador em relação à história original. A recomendação é que todos estejam com a animação em dia até o último episódio do arco Dressrosa, que termina no capítulo 746.

Ademais, quem cair de paraquedas no jogo provavelmente não sentirá a mesma emoção de um fã que já tem toda a bagagem emocional do anime em mente, não é mesmo? Então fica a dica para os marujos e marujas de primeira viagem viverem todas as aventuras da série de Eiichiro Oda.

One Piece Odyssey será lançado em 13 de janeiro para PC, Xbox Series, PlayStation 4 e 5.

Fonte: Voxel and Screen Rant