Especialista acredita que país viverá cenário semelhante ao da França, com maior controle nos casos de morte devido à vacinação.

entrada da subvariante Ômicron BQ.1 no Brasil tem potencial para causar uma nova onda de Covid-19 no país, alerta o médico pediatra especialista em vacina Eduardo Jorge da Fonseca Lima, representante da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) em Pernambuco.

Sequenciamentos genômicos identificaram a nova sublinhagem em três estados brasileiros (Amazonas, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul) apenas nas últimas duas semanas, mas ela já circula com intensidade em outros países, como França, Alemanha e Estados Unidos.

“É muito provável que tenhamos um aumento significativo de casos de Covid-19 por causa da Ômicron BQ.1 nas próximas duas ou três semanas. Podemos ter uma nova onda”, afirma Lima. O especialista destaca que as subvariantes da Ômicron XBB e BQ.1.1, em circulação em outros países, também devem entrar no radar de alerta.

Mais transmissível

As mutações sofridas pela nova sublinhagem – que é uma ramificação da cepa BA.5 – aumentaram o seu poder de escape da resposta imunológica. Com essa característica, ela se tornou mais transmissível mesmo entre as pessoas vacinadas. Ou seja, os imunizantes anteriores e a proteção adquirida pelo contato com o vírus não evitam as contaminações.

A boa notícia, segundo Lima, é que a letalidade não é alta. A maioria dos casos são leves e moderados, e as taxas de hospitalização e óbitos permanecem controladas, especialmente entre os vacinados.

“A França é o melhor exemplo para a gente se tranquilizar um pouco. Os casos de BQ.1 representam mais de 50% dos diagnósticos do país, mas as taxas de hospitalização e óbitos seguem estáveis”, afirma.

Sintomas

Os sintomas após a infecção pela BQ.1 são semelhantes aos observados nas cepas anteriores. A população deve ficar atenta ao surgimento de dor de garganta, mialgia (dor muscular) e astenia (sensação de fraqueza e falta de energia).

O representante da SBIm alerta que pessoas com sintomas respiratórios devem voltar a dar importância aos testes de diagnóstico, ao isolamento após o surgimento de sintomas e à higienização das mãos com água e sabão e álcool em gel. Os indivíduos mais vulneráveis ao desenvolvimento de quadros graves também devem usar máscara em locais fechados.

“As pessoas têm que entender que a Covid-19 é uma doença diferente das outras infecções virais. Ela veio para ficar e temos que aprender a conviver da melhor forma possível com ela”, afirma Lima.

Vacinação de reforço

O representante da SBIm alerta que as campanhas de vacinação devem ser intensificadas para garantir que mais pessoas recebam as três doses dos imunizantes e os mais vulneráveis, a quarta.

Atualmente, apenas 56% da população brasileira recebeu a dose de reforço contra a Covid-19, de acordo com o Our World in Data, projeto da Universidade de Oxford, no Reino Unido.

“É muito pouco. Quem não tomou a terceira dose, deve se apressar. A nossa preocupação é que, quando a subvariante encontra uma população só com duas doses, começa a ter maior impacto sobre adoecimento e atendimento hospitalar, o que deve acontecer nas próximas duas a três semanas”, calcula o médico.

metropoles