https://webradiojuventude.com/portal/wp-content/uploads/2023/07/Hosp-do-Coracao-728pxl-x-90pxl-1.pnghttps://webradiojuventude.com/portal/wp-content/uploads/2023/09/728x90-2CT-1.gif

A Agência de Segurança da Saúde do Reino Unido anunciou que está monitorando duas novas variantes do coronavírus no país.

A Agência de Segurança da Saúde do Reino Unido anunciou, nesta sexta-feira (28/10), que está monitorando duas novas variantes do coronavírus no país.

A BQ.1 e XBB que surgiram a partir da Ômicron e ainda não constituem “variantes de preocupação”, mas estão sendo acompanhadas devido ao crescimento de casos e a possibilidade de terem maior escape imunológico em relação às defesas criadas por vacinas ou infecções prévias.

O país já registrou 717 casos provocados pela BQ.1, mas não há informações sobre seu potencial de transmissibilidade ou letalidade.

A XBB, por sua vez, é uma variante recombinante surgida a partir de duas sublinhagens da Ômicron e vem sendo chamada de “variante pesadelo”, pois está associada a uma recente onda de aumento de casos em Cingapura. No Reino Unido, foram sequenciadas 18 amostras compatíveis com a XBB.

Importância da vacinação

A diretora de Infecções Clínicas e Emergentes da agência de saúde britânica, Meera Chand, destacou que a vacinação continua sendo a melhor estratégia para evitar a Covid-19 e destacou que o surgimento das duas novas variantes não deve ser encarado com temor pela população.

“NÃO É INESPERADO SURGIREM NOVAS VARIANTES DO SARS-COV-2. NEM A BQ.1 E NEM A XBB FORAM DESIGNADOS COMO VARIANTES DE PREOCUPAÇÃO. ESTAMOS MONITORANDO A SITUAÇÃO DE PERTO, COMO SEMPRE. CONTINUA SENDO MUITO IMPORTANTE QUE AS PESSOAS TOMEM TODAS AS DOSES PARA AS QUAIS SÃO ELEGÍVEIS O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL”, AFIRMOU A ESPECIALISTA.

Situação da pandemia

No auge da pandemia, o Brasil chegou a registrar 286 mil novos casos de Covid em apenas um dia. O recorde de mortes foi contabilizado em 8 de abril de 2021: 4.249 óbitos.

Porém, agora, em outubro de 2022, a situação está controlada no país. Depois da vacina, os casos e óbitos caíram muito, as taxas de transmissão permanecem abaixo de um, indicando que a propagação do vírus não está aumentando, e há meses não aparece uma nova variante perigosa como a Ômicron.

Em 14/9, o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirmou que o mundo nunca esteve tão perto do fim da pandemia. A entidade considera que a linha de chegada está próxima, mas é preciso dar um último gás.

A baixa cobertura vacinal em alguns países da África, a leve alta de casos registrada na Europa e a possibilidade de interrupção de vários programas de incentivo à imunização e à pesquisa de tratamentos são alguns dos motivos pelos quais a organização resiste em decretar o fim da pandemia.