Defesa Civil Municipal iniciou processo de demolição os imóveis afetados.

Por causa das rachaduras que têm atingidos imóveis em Pilar, região metropolitana de Maceió, a Defesa Civil Nacional reconheceu nesta quarta-feira, 31, a situação de emergência do município, que deverá ser contemplado com recursos do Governo Federal.

Ao menos 13 imóveis apresentaram fissuras depois das fortes chuvas que caíram em julho. Em relatório técnico, divulgado na semana passada, o Serviço Geológico do Brasil apontou que as áreas afetadas sofrem com um processo de rastejo, caracterizado pelo movimento de massa lento e que pode ocorrer de forma constante, sazonal ou intermitente.

Como consequência, o rastejo pode promover destruição nas construções. Das áreas vistoriadas no município, foram identificadas três áreas com risco geológico, classificadas como grau de risco muito alto de rastejo, abrangendo os 13 imóveis.

Com a análise, o processo de demolição dos imóveis afetados foi iniciado pela Defesa Civil Municipal. Até agora, uma casa foi derrubada e a estrutura restante de uma quadra de esportes que estava sendo construída no bairro Padre Cícero, está sendo retirada.

Os moradores que precisaram ser realocados estão sendo atendidos pelo aluguel social, mas a Prefeitura de Pilar informou que ainda não há previsão para pagamento de indenização às famílias.

Sobre a possibilidade de demolição dos outros imóveis afetados, a Assessoria de Comunicação do município informou ainda que cada caso específico está sendo analisado tecnicamente para definir se podem ser aplicados reparos ou se vai ser necessário a realocação das famílias e demolição das casas.

AL24HS