“A vida me bateu, mas eu não me despedacei. Se eu parei, não foi desistência. Eu só estava descansando! Eu não estou acabado, não fui destruído e nem afundei. Só estava, como ostra, produzindo pérola. Só estava, como borboleta, no casulo em meio à metamorfose. E, como semente, aceitei morrer para viver de novo.”