Cannabis é o gênero da maconha, mas também é uma planta utilizada para o tratamento de 26 condições médicas.

Planta de ‘Cannabis sativa’, da qual é possível extrair o canabidiol — Foto: Kimzy Nanney/Unsplas

A Assembleia Legislativa de Alagoas (ALE) vai realizar uma sessão especial na segunda-feira (13), às 11h, para debater o uso da cannabis medicinal . A sessão é aberta para todos os cidadãos. Em 2015, a Anvisa liberou, com prescrição médica, a importação de medicamentos à base de canabidiol.

A cannabis é o gênero da maconha, mas também é a planta medicinal utilizada para o tratamento de 26 condições médicas. Atualmente a planta é um produto controlado no Brasil, e é permitido o registro de produtos à base de seus princípios ativos, mas o plantio para pesquisa ou fins medicinais ainda não está regulamentado. A venda da maconha é considerada tráfico.

A sessão especial foi proposta pelo deputado Lobão (MDB). O parlamentar explica que o objetivo é discutir a ampliação do acesso da cannabis medicinal para pacientes com Alzheimer e Parkinson, por exemplo.

“Foram feitos convites para várias autoridades, a exemplo do promotor José Malta Marques, que nos recebeu de forma bem atenciosa no dia de ontem. Também foram convidados pais que possuem filhos em tratamento com este remédio; o médico Ronaldo Correia, da cidade de São Paulo, que passou a receitar a cannabis medicinal; deputado estadual Goura, da Assembleia Legislativa do Paraná; entre outros”, destacou o parlamentar.

Além da possibilidade de tratar pessoas com menos renda, com um preço mais acessível, Lobão pretende discutir as possibilidades da criação de empregos com a fabricação deste medicamento em território alagoano.

“A Anvisa autorizou apenas a importação desse medicamento. Assim, hoje, para quem tem condições, só se consegue pagando caro”, disse Lobão, lembrando que quem recebe um salário mínimo não tem acesso ao tratamento, como pais de crianças autistas com baixa renda.

Por g1 AL