Álex Pina afirmou que roteiristas escreveu até 34 versões diferentes para o final da série, buscando fazer jus à trajetória da trama

O final da série La Casa de Papel, que foi liberado na Netflix na última sexta-feira (3/12), emocionou os fãs. De acordo com Álex Pina, criador do fenômeno espanhol, o roteiro foi alterado às pressas pois o encerramento estava uma “merd*”.

“Nós tínhamos um final pré-criado, que estava lá desde que criamos a série. Antes da terceira temporada, nós sabíamos qual seria o final. Mas, quando escrevemos, pensamos: Está uma merd*, certo?’”, contou Pina em entrevista para a Netflix e antecipada pela CNN Brasil.

DE ACORDO COM PINA, A EQUIPE DE ROTEIRISTAS ESCREVEU ATÉ 34 VERSÕES DIFERENTES PARA O FINAL DA SÉRIE, PROCURANDO BUSCAR UM ENCERRAMENTO QUE FIZESSE JUS À TRAJETÓRIA DOS LADRÕES. “QUANDO AS PESSOAS ASSISTIREM, ELAS VÃO PENSAR: ‘ISSO É O QUE ESTAVA PLANEJADO O TEMPO TODO’. NÃO, SENHOR, NÃO ESTAVA PLANEJADO. NÓS DESCOBRIMOS ISSO NO ÚLTIMO MINUTO”, ACRESCENTOU.

Quanto ao sucesso inesperado da série espanhola, o diretor lamentou algumas decisões criativas feitas antes de La Casa de Papel ser adquirida pela Netflix. Entre as escolhas das quais se arrepende, o criador apontou o destino trágico de Moscou (Paco Tous).

Ele era um personagem que oferecia muita comédia e que, para mim, ainda tinha muito para dar. Se eu soubesse que nós teríamos uma vida mais longa, talvez pensasse duas vezes”, explicou. Anteriormente, ele também revelou que se arrependia de ter matado Berlim (Pedro Alonso).

metropoles