Medida anunciada em agosto pela empresa entrou em vigor neste mês. Segundo a companhia, mais de 99% dos funcionários estão imunizados

Gol Linhas Aéreas anunciou que começou a demitir os funcionários que se recusaram a tomar a vacina contra a Covid-19. A medida, anunciada em agosto deste ano, começou a valer neste mês, segundo a companhia. A empresa, entretanto, não revelou quantas demissões já foram feitas.

Em nota, a Gol afirmou que a posição se deve a um “compromisso da companhia com a saúde pública e a proteção da população em geral” e que todos os colaboradores que não apresentarem certificados de vacinação serão desligados.

A empresa anunciou que mais de 99% de seus funcionários estão com a imunização completa contra a doença.

Em 1º de novembro, o ministro do Trabalho e Previdência, Onyx Lorenzoni,editou uma portaria proibindo empresas de exigir comprovação da vacinação contra a Covid-19 na hora de contratar novos funcionários. A norma também impede demissões por justa causa de colaboradores que não comprovarem a imunização.

A portaria foi questionada por partidos da oposição no Supremo Tribunal Federal (STF). À Corte, o ministro do Trabalho e da Previdência argumentou que tomou a decisão por causa do risco de “demissão em massa de trabalhadores”.

Na sexta-feira (12/11), o ministro Luís Roberto Barroso, suspendeu parte da portaria., que passou a permitir a extinção do contrato de trabalho, com justa causa, por falta de vacinação.

Com a polêmica, o deputado federal Alexandre Frota (PSDB-SP) protocolou, na semana passada, um projeto de lei na Câmara que permite que empresas públicas e privadas deixem de contratar “pessoas que não estejam devidamente em dia com sua carteira de vacinação do Programa Nacional de Imunização”.

Leia na íntegra a nota da Gol:

A Segurança é o valor número 1 da Gol Linhas Aéreas. Portanto, adotar a vacina contra a Covid-19 como um requisito indispensável ao seu público interno se constitui numa decisão natural que se alinha ao compromisso da companhia com a saúde pública e a proteção da população em geral. Desta forma, conforme anunciado em agosto, a Companhia iniciou neste mês de novembro o desligamento de todos colaboradores que não apresentaram certificado de vacinação.

São mais de 99% do time com imunização completa. Este número revela o claro engajamento do público interno da Companhia em uma atitude de cuidado com a própria saúde, de seus familiares, colegas de trabalho, clientes e de toda a sociedade.

A criação desse requisito de segurança na Gol se apresenta como reforço e aprimoramento dos demais protocolos estabelecidos pela companhia desde o início da pandemia, os quais são rigorosos, confiáveis, certificados e comprovadamente eficazes. Para a Gol, a consciência e o entendimento sobre a importância da vacinação são fundamentais para o restabelecimento do bem-estar coletivo.

Estamos também atentos ao novo calendário do Ministério da Saúde de aplicação de doses de reforço para a população adulta já vacinada, incentivando nossos colaboradores a seguirem as recomendações dos órgãos competentes para caminharem conosco nesta retomada ainda mais protegidos e saudáveis.

Metrópoles