Após o anúncio de que várias cidades do interior de São Paulo não vão realizar festas de carnaval em 2022, em virtude da pandemia de Covid, além da incerteza em grandes polos da folia, como Salvador, Recife e Olinda, alguns municípios alagoanos já se manifestaram e estão estudando a suspensão das festividades. Outros confirmaram a realização das festas, mas estão dependendo do posicionamento do Governo do Estado. 

Assessorias de comunicação de cidades como a Barra de São MiguelSão Luís do Quitunde e Matriz do Camaragibe informaram que os municípios estudam a não realização das festas momescas para o ano que vem. Já cidades como ParipueiraPiranhasSão Miguel dos Milagres e Traipu responderam que há a perspectiva, sim, da realização do Carnaval nas cidades. No Pilar e em Atalaia, os gestores aguardam definição do Governo Estadual, via decreto, para a tomada de decisão. 

Na capital, Maceió, a programação para as tradicionais prévias de Carnaval já está toda montada, com atrações e horários definidos. Segundo o que já está planejado, na sexta-feira antes do carnaval haverá desfiles de blocos no Jaraguá Folia, no sábado o desfile do Pinto da Madrugada, Pecinhas, Bloco do Rei e Turma da Rolinha; e no domingo o bloco Vulcão na orla.

“Tudo está confirmado até segunda ordem. Dependemos dos possíveis decretos vigentes no período. Se o Governo voltar a baixar decreto, nós vamos ter que nos adequar”, disse a assessoria de comunicação da Fundação Municipal de Ação Cultural de Maceió. 

Nesta quarta-feira (24) o presidente da Associação dos Municípios Alagoanos (AMA), prefeito Hugo Wanderley disse, em vídeo, que está recomendando aos gestores prudência. “A pandemia ainda não acabou, nós estamos acompanhando dados técnicos, outros países já enfrentam mais uma onda de Covid – claro, com a vacinação ainda avançando. Nós temos que avançar ainda mais na vacinação aqui em nosso país, continuar acompanhando a evolução dos dados, dos números, e respeitar as medidas que estão sendo recomendadas pelos cientistas”, disse o presidente da AMA.

Hugo Wanderley afirmou ainda que é preciso aguardar para se dar um parecer final sobre as festas carnavalescas. “Vamos nos aprofundar [nos dados] para que a gente possa, nos próximos dias, dar um parecer final se é seguro ou não realizar festas carnavalescas nos municípios alagoanos”, enfatizou.

TNH1