A Justiça de SP mandou o ex-deputado apagar uma publicação em que xinga a jornalista sob pena de multa de R$ 1 mil por dia

A jornalista Rachel Sheherazade obteve uma vitória na Justiça contra o ex-deputado Jean Wyllys, nessa segunda-feira (25/10), por danos morais. Mas o atrito entre os dois não é recente. Em 2014, ele chegou a entrar com uma representação acusando-a de incitar a violência, e perdeu.

Wyllys e outros deputados denunciaram a jornalista por exaltar o comportamento de um grupo de pessoas que resolveu punir um adolescente de 16 anos acusado de cometer furtos no Rio de Janeiro. O rapaz foi preso nu a um poste e teve que aguardar a equipe de bombeiros para ser solto.

A representação foi recebida pelo Ministério Público, no entanto, o juiz José Carlos Francisco, da 14ª Vara Civil Federal de São Paulo, julgou o caso improcedente, afirmando que não houve apologia ao crime por parte da jornalista.

Vitória na Justiça

Nesta semana, a Justiça ordenou que o ex-deputado federal retirasse do ar uma publicação no Twitter que traz uma série de ofensas à jornalista, incluindo uma acusação de que ela seria racista.

Wyllys tem cinco dias para tirar a publicação do ar, e caso descumpra a decisão judicial, terá que pagar uma multa de R$ 1 mil por dia em que o post permanecer em seu perfil no Twitter.

No processo, Rachel Sheherazade ainda pede uma indenização de R$ 44 mil, mas o caso ainda não foi julgado e ela ainda aguarda a decisão da Justiça.

Entenda

Em 30 de agosto deste ano, Rachel Sheherazade criticou Jean Wyllys pelo episódio envolvendo uma cuspida dele no presidente Jair Bolsonaro, quando ainda era deputado, durante a votação do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff.

“A gênese do bolsonarismo. A esquerda radical e irracional rivalizou com um deputadozinho inexpressivo, que habitava há décadas o submundo do terceiro escalão. Deu palco pra maluco dançar. E ele dançou, deitou, rolou e se elegeu. Esquerda radical, assuma, pois esse filho é seu”, escreveu ela no Twitter.

Logo em seguida, o jornalista rebateu: “Rachel Sheherazade é uma racista hipócrita que quer reescrever o passado, atribuindo a outros o monstro que a direita pariu. Quando reagi à indignidade da apologia à tortura (crime que ela também cometeu na tevê) cuspindo num fascista, este já estava criado por gente como ela”.

metropoles