Criança de 4 anos está entre as novas mortes, que chegam a quase 600

Novo coronavírus já afetou 101 municípios do Estado de Alagoas

A Secretaria de Estado da Saúde (SESAU) divulgou, no final da tarde desta quinta-feira (4), o mais recente Boletim Epidemiológico sobre a situação da pandemia do novo coronavírus (Covid-19) em Alagoas. Veja os principais números:

  • 13.096 casos confirmados;
  • 531 óbitos;
  • 7.876 curados;
  • 1.605 casos em investigação;
  • 101 municípios afetados.

Os dados do órgão apontam que, nas últimas 24 horas, foram registradas mais 25 mortes e 689 pacientes infectados. Os recordes contabilizados no Estado aconteceram no último domingo (31) e nesta quinta (4), quando, respectivamente, 25 óbitos e 1.060 casos foram confirmados em apenas um dia.

Das pessoas que testaram positivo, 4.325 estão em isolamento domiciliar e 362 internados em leitos públicos e privados. Os considerados como curados já finalizaram o período de isolamento e não apresentam mais sintomas compatíveis com o do vírus. 

Até as 11h desta quinta (4), 683 leitos criados para atender pacientes com suspeita e confirmação do novo coronavírus estavam ocupados, o que corresponde a 65% do total. Dos internados, 169 pacientes estão em leitos de UTI, 13 em leitos intermediários e 501 em enfermaria. Até o momento, Alagoas tem 1.051 leitos exclusivos. 

ÓBITOS EM ALAGOAS

O novo Boletim Epidemiológico mostra que a maioria dos óbitos confirmados nas últimas 24 horas são de pessoas que residiam em Maceió, sendo 18 vítimas fatais (11 homens, com 69, 77, 73, 65, 80, 56, 72, 74, 90, 63, 72 anos; seis mulheres, com 90, 53, 62, 83, 83 e 55 anos; e uma criança do sexo masculino, com 4 anos).

Mais detalhadamente, o homem de 69 anos sofria de doença renal crônica e morreu no Hospital do Coração. O de 77 anos tinha hipertensão e faleceu na Unimed. O de 73 anos tinha doença renal crônica e morreu no Hospital Geral do Estado (HGE). O de 65 anos tinha diabetes, hipertensão e veio a óbito na UPA do Tabuleiro. O de 80 anos era diabético, hipertenso e faleceu na Santa Casa de Maceió. O de 56 anos não apresentava comorbidades e morreu no Hospital Universitário. O de 72 anos era hipertenso, tabagista e faleceu no Hospital Universitário. 

O homem de 74 anos não tinha doenças pré-existentes e morreu na Santa Casa de Maceió. O de 90 anos sofria de doença pulmonar obstrutiva crônica e veio a óbito no Hospital Medradius. O de 63 anos não apresentava comorbidades e faleceu no Hospital da Mulher, enquanto o de 72 anos tinha diabetes e morreu na UPA do Tabuleiro. A criança do sexo masculino, com 4 anos, não tinha doenças pré-existentes e veio a óbito no HGE. 

Quanto as mulheres, a primeiro era diabética, hipertensa, sofria de mal de Alzheimer, tinha 90 anos e morreu no Hospital Metropolitano. A de 53 anos tinha linfoma – câncer no sistema linfático – e veio a óbito no Hospital Medradius. A de 62 anos era diabética, hipertensa e morreu no Hospital da Mulher. Uma de 83 anos sofria de diabetes, hipertensão e faleceu em casa, enquanto a outra tinha sequelas de um acidente vascular encefálico e morreu na Unimed. A mulher de 55 anos sofria de diabetes, hipertensão e veio a óbito na Santa Casa de Maceió. 

Já o interior de Alagoas contabilizou mais sete mortes provocadas pelo vírus (quatro homens, com 63, 56, 76 e 72 anos, e três mulheres, com 50, 74 e 55 anos).

Entre os óbitos, um homem de 63 anos residia em Igreja Nova, tinha hipertensão, doença cardiovascular crônica e morreu no HGE. O de 56 anos morava em Coqueiro Seco, não apresentava doenças pré-existentes e faleceu na Unimed. Outro homem de 76 anos era natural de São Miguel dos Campos, não tinha comorbidades e morreu na UPA de São Miguel dos Campos. O de 72 anos tinha doença renal crônica, morava em Colônia Leopoldina e veio a óbito no Hospital Sanatório.

A mulher de 50 anos também residia em Colônia Leopoldina, não apresentava comorbidades e morreu no Hospital Daniel Houly. A de 74 anos não tinha doenças pré-existentes, morava em Marechal Deodoro e faleceu no HGE. A mulher de 55 anos sofria de hipertensão, era natural do Pilar e morreu na UPA do Trapiche. 

DISTRIBUIÇÃO POR MUNICÍPIOS

Os dados ainda mostram que a capital segue como a cidade com mais casos confirmados de Covid-19 em Alagoas, sendo 7.112 infectados. O município de Arapiraca aparece em segundo (500) e Marechal Deodoro em terceiro (399).

As demais pacientes foram registrados em São Miguel dos Campos (278), Teotônio Vilela (275), Rio Largo (227), Coruripe (220), Atalaia (209), São Sebastião (205), Porto Calvo (185),  União dos Palmares (181), Pilar (170),  Palmeira dos Índios (176), São José da Laje (162),  Satuba (157), Maragogi (149),  Junqueiro (140), Jequiá da Praia (120), Capela (117), Murici (105), Craíbas (88), Santana do Ipanema (87), Matriz do Camaragibe (80), Bocada Mata (82),  Santa Luzia do Norte (67), São Luís do Quitunde (58), Girau do Ponciano (55), Olho d´Água das Flores (55), Passo de Camaragibe (51), Coqueiro Seco (49), Anadia (49), Paulo Jacinto (48), Penedo (47), Messias (43), Pão de Açúcar (42), Barra de São Miguel (40), Batalha (38),  Colônia Leopoldina (38), São José da Tapera (36), Quebrângulo (34), Cajueiro (34), Japaratinga (33), Maribondo (36), Flexeiras (36), Paripueira (34), Joaquim Gomes (33), Piaçabuçu (33),Delmiro Gouveia (32) e Viçosa (30).

A lista também é composta por Campo Alegre (29), Porto de Pedras (26), São Miguel dos Milagres (25),  Major Izidoro (26), Barra de Santo Antônio (24), Campestre (22), São Brás (19), Ouro Branco (19), Cacimbinhas (18), Jacuípe (17), Igaci (17), Tanque d´Arca (15), Carneiros (14), Campo Grande (14), Roteiro (14), Dois Riachos (13), Taquarana (13),Monteirópolis (12), Santana do Mundaú (12), Porto Real do Colégio (12), Limoeiro de Anadia (11), Lagoa da Canoa (11), Branquinha (11), Senador Rui Palmeira (11), Pindoba (10), Traipu (9), Piranhas (9), Olivença (9), Maravilha (9), Olho d´Água Grande (8), Coité do Noia (8), Estrela de Alagoas (8), Ibateguara (7), Feliz Deserto (7), Chã Preta (7), Olho d´Água do Casado (5), Novo Lino (5), Poço das Trincheiras (4), Igreja Nova (4), Mar Vermelho (4),Pariconha (3) Inhapi (3), Canapi (3), Minador do Negrão (3), Palestina (3), Belém (2), Belo Monte (2), Jundiá (2), Jacaré dos Homens (2), Jaramataia (1) e Água Branca (1). As outras 54 pessoas eram naturais de Pernambuco, Distrito Federal, Rio de Janeiro, São Paulo, Bahia, Santa Catarina, Maranhão, Minas Gerais e Paraná.

Em relação aos óbitos, a capital alagoana tem 335 vítimas fatais. As demais 192 foram contabilizadas em Marechal Deodoro (12), Rio Largo (19), Arapiraca (17), União dos Palmares (14), Coruripe (8), Satuba (6), Maragogi (6), Joaquim Gomes (5), Pilar (4), São Miguel dos Campos (4), Murici (4), Messias (4), Atalaia (4), Paripueira (4), Santana do Ipanema (4), Piaçabuçu (4), Palmeira dos Índios (3), Ibateguara (3), Jequiá da Praia (3), Barra de São Miguel (2), Teotônio Vilela (2), Campestre (2), Delmiro Gouveia (2), Paulo Jacinto (2), Penedo (2), Porto Calvo (2), Matriz do Camaragibe (2), Boca da Mata (2), Craíbas (2), Passo do Camaragibe (2), Lagoa da Canoa (2), Santa Luzia do Norte (2), São Luís do Quitunde (2), São Miguel dos Milagres (1), Viçosa (1), Anadia (1), Limoeiro de Anadia (1), Maribondo (1), Campo Alegre (1), Batalha (1), Cacimbinhas (1), Flexeiras (1), Japaratinga (1), Novo Lino (1), Campo Grande (1), Pão de Açúcar (1), Barra de Santo Antônio (1), Cajueiro (1), Feliz Deserto (1), Major Izidoro (1), São Sebastião (1), Santana do Mundaú (1), Junqueiro (1), Poço das Trincheiras (1), Belém (1), Jundiá (1), Canapí (1) Tanque D´Arca (1), São José da Tapera (AL), Capela (1), Olho d´Água das Flores (1), e Piranhas (1). As outras quatro pessoas residiam em Pernambuco, São Paulo, Santa Catarina e Bahia.