Fortes rajadas de vento atingiram praticamente todas as regiões de Santa Catarina na tarde desta terça-feira (30), deixando um rastro de estragos e assustando moradores de várias cidades. O vendaval começou na região Oeste a avançou pelo Estado. Três mortes foram registradas em Chapecó, Tijucas e Santo Amaro da Imperatriz. Conforme relatório da Defesa Civil, o vento chegou a atingir 120 km/h no alto do Morro da Igreja, em Urubici.

Em Chapecó os ventos chegaram a atingir 108 km/h, derrubando árvores e placas. Uma senhora de 78 anos morreu depois de ser atingida por uma árvore perto do aeroporto da cidade. A Defesa Civil registrou destelhamentos em Descanso, Santa Helena, São Domingos, Jaborá e Xanxerê.

Em Florianópolis o Corpo de Bombeiros foi acionado para ocorrências de queda de árvores no Estreito, Pantanal e Rio Tavares. No Córrego Grande, em frente ao parque municipal, uma árvore caiu em cima de uma van e um carro de passeio. O telhado de prédio foi carregado pelo vento em Jurerê. Árvores caídas bloquearam parcialmente o trânsito na SC-401 e na SC-406.

Em Santo Amaro da Imperatriz, na Grande Florianópolis, um homem morreu após ser atingido pela fiação da rede elétrica. Uma árvore havia caído sobre o poste e derrubado os fios. Outra morte ocorreu em Tijucas, no Litoral, em um imóvel com parte da estrutura colapsada.

Em Joaçaba, a força do vendaval derrubou o cajado de Frei Breno, peça que fica junto à Estátua no Monumento, no bairro Flor da Serra.

Falta de energia

A Celesc informa que, em virtude do mau tempo provocado por um ciclone extratropical com rajadas de vento de até 110Km/h, por volta das 16h, mais de 1,4 milhão de unidades consumidoras estavam com o fornecimento de energia elétrica interrompido na área de concessão da empresa. 

As ocorrências começaram a ser registradas no início da tarde, no oeste catarinense, e abançaram para o litoral. 

O ciclone, que é composto por uma área de baixa pressão, começou a se formar no norte da Argentina e está se deslocando em direção ao leste. A área de baixa pressão está cruzando os estados de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul e deve ganhar forma de ciclone sobre o oceano, no litoral gaúcho.

Equipes da Celesc estão em campo nesse momento, atuando nas áreas atingidas. 

A orientação é para a população permanecer em local seguro e relatar as ocorrências para a Defesa Civil (199), o Corpo de Bombeiros (193) e as emergências relativas à rede elétrica no 0800 048.0196.

Diário Catarinense