Conforme denúncia, recém-nascido foi enterrado por outra família no município de União dos Palmares

Mãe de um dos recém-nascidos conta que foi difícil lidar com a situação

A Justiça Federal (JF) condenou o Hospital Universitário Prof. Alberto Antunes (HUPPA) – também conhecido apenas como HU – a pagar R$ 150 mil de indenização por danos morais aos pais que tiveram os seus bebês recém-nascidos trocados na unidade hospitalar. 

O caso aconteceu em 2018 e ganhou repercussão na mídia após denúncia dando conta de que um bebê que veio a óbito no HU foi trocado no momento da liberação do corpo, sendo sepultado por outra família, no município de União dos Palmares, em Alagoas. 

 “O que eu passei é muito doloroso. Se recuperar do caso e depois ter que lembrar novamente, também não é fácil”, disse Jaqueline de Lima Gomes, mãe do menino que morreu hora depois de ter nascido, após ter uma hemorragia pulmonar. Ela, no entanto, sepultou outra criança, do sexo feminino, no lugar do filho. 

“A justificativa que deram foi pelo fato de os nomes serem parecidos. Os dois começavam com a letra J, mas isso é incabível. Dar uma pessoa para enterrar errado é uma dor insuportável”, completou ela. 

O defensor público que acompanha o caso, Diego Alves, disse que as famílias devem ser indenizadas por tudo o que passaram. “O juiz federal reconheceu a existência da responsabilidade do hospital e, também, salientou que não houve a prestação adequada de serviços essenciais para minimizar o luto dos pais naquele momento do óbito, a exemplo de tratamentos psicológicos e assistência social”, pontuou. 

gazetaweb