terça-feira, 16 de julho de 2019
Download http://bigtheme.net/joomla Free Templates Joomla! 3

Casos de tuberculose associados ao HIV quase dobram em menos de 1 ano em Alagoas

Nos primeiros meses do ano, foram registrados 71 casos; em 2018, foram 336 casos da doença

O número de casos de tuberculose associada ao vírus HIV quase dobrou em alagoas, de acordo com dados fornecidos pelo Hospital Escola Dr. Hélvio Auto (HEHA). Dados divulgados nesta sexta-feira (22) apontam que já foram registrados 71 casos em 2019. 

De acordo com o Hélvio Auto, em 2018, foram confirmados 336 casos da doença. Só nos dois primeiros meses de 2019, a unidade hospitalar já registrou 35 casos, enquanto que, entre janeiro e fevereiro de 2018, foram atendidos 36, o que representa um aumento de 97,2%. 

O infectologista Fernando Maia explica que a tuberculose é uma doença antiga e que exige tratamento supervisionado devido aos sintomas. “Ela é uma doença bacteriana infecciosa e que acomete principalmente o pulmão. Podendo ser também do tipo crônica, quando os pacientes passam semanas ou meses tendo febre baixa, perdem peso e apresentam tosse seca”, pontuou. 

Ainda segundo Maia, são inúmeros os fatores que podem acarretar o aparecimento da doença. “Posso falar que a baixa imunidade é um dos principais fatores para o aparecimento. Mas, posso citar, também, aquelas pessoas que entram em contato com pacientes que já possuem a doença, as que são alcoólicas e, até mesmo, as que estão fazendo tratamento com imunossupressor”, destacou. 

Sobre o tratamento, o infectologista diz que é gratuito e disponibilizado no Sistema Único de Saúde (SUS). “O tratamento da tuberculose dura no mínimo seis meses, é gratuito e disponibilizado no SUS. Ele também deve ser realizado, preferencialmente, em regime de Tratamento Diretamente Observado (TDO)”, explicou ele, acrescentando que a pessoa com tuberculose deve ser orientada, de forma clara, quanto às características da doença e do tratamento a que será submetido.

“Orientar sobre o uso dos medicamentos, duração e regime de tratamento, benefícios do uso regular dos medicamentos, possíveis consequências do uso irregular dos mesmos e eventos adversos, é muito importante para os pacientes com a doença”, concluiu. 

OMS

Conforme a Organização Mundial de Saúde (OMS), o Brasil ocupa a 20ª posição na lista dos 30 países prioritários para a tuberculose. Por isso, e importante ficar alerta aos sintomas. Tosse persistente por mais de três semanas, cansaço e febre baixa, podem ser sinais de tuberculose.

 

Gazetaweb

Sobre WebRádio Juventude

Verifique isso

Bombeiros salvam quatro turistas vítimas de afogamento na Praia do Francês

Segundo major do Corpo de Bombeiros, mar na região está mais agitado; turistas foram atendidos …